quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Plantando orégano em garrafa PET na varanda.

Após explorar diversas possibilidades de como gerar mudas a partir da planta de Orégano, descrito nesse post aqui (como fazer mudas de orégano e manjericão ) agora é hora de transplantar para um local definitivo ou pelo menos onde a planta vai crescer um pouco mais.

Pegando um pouco da idéia desse outro post, sobre plantando alface em garrafa PET e até mesmo reutilizando as garrafas PET dos alfaces colhidos, esse post vem para mostrar como fazer o mesmo tipo de plantação com as mudas geradas de Orégano e como fica bonito, mesmo ainda pequeno, o arranjo na garrafa PET.

PET com algumas mudas já plantadas
Assim como utilizei a garrafa PET cortada, pode utilizar qualquer coisa, até um vasinho, um pote de requeijão, etc. O importante é transferir as mudas com raízes para esse novo recipiente, com uma terra boa e bem adubada.

Muda criada a partir de um galho na terra



Uma vez transferidas todas as mudas, sugiro utilizar os espaços entre elas para tentar criar novas mudas, como fez as originais, enterrando os pequenos galhos na terra. Além de deixar o recipiente mais bonito com cara de mais cheio, algumas irão enraizar.

Note que dessas tentativas de mudas, algumas não irão enraizar, especialmente porque as outras com raízes puxarão mais água pra elas, dificultando o processo de enraizamento. Caso elas comecem a secar, somente retire as que não pegaram, sem problema algum.


Pronto, agora você tem um belo arranjo, numa garrafa PET, que se tornará um belo cacho de orégano, ocupando menos espaço do que se estivesse numa jardineira , além de ficar muito bonito.


Depois de algumas semanas, olha como já tinha crescido. Algumas das tentativas de enraizamento na garrafa junto com as outras mudas, não deu certo e os filetes que estavam enterrados murcharam e depois secaram, normal, não fique triste, porém outros vingaram e estão já crescendo junto.

Essa foi dada de presente e como a minha planta-mãe não para de crescer, estou tirando novas mudas e fazendo novos arranjos que em breve posto aqui. Mas fica a dica de um presente original pra aquele amigo seu que gosta de plantas ou gosta de cozinhar. Além de muito cheiroso, o orégano é um ótimo tempero mesmo fresco.

Outros exemplos de plnatas em garrsfas PET, seja de refrigerante ou outras, como as de sabão líquido ou detergente.







domingo, 22 de junho de 2014

Criando mudas de suculentas

Sempre ouvi falar de suculentas até que comprei algumas e as achei bem interessante. Porém em alguns dias uma começou a morrer e busquei saber como gerar mudas dela até que vi em diversos sites que poderia gerar a partir das folhas.
Meu vaso de suculentas sem uma delas que morreu e doou as folhas para as mudas
Quando olhei o vaso notei que já tinha uma pequena folha com raízes aparentes e brotando folhas. Vi que era realmente uma boa forma de gerar as mudinhas. Sendo assim, as assentei sobre a minha sementeira e fui registrando a evolução de cada uma delas.

Como estão na sementeira, que fica em contato com um prato de jardineira, a terra fica ligeiramente úmida assim como as outras células da mesma por capilaridade em contato com a água. Não faço nenhuma rega direta.

Vejam abaixo a evolução semana a semana:

Dia 0 / Semana 0:
Folha que já estava com a muda brotando assentada na sementeira
Semana 2 (aproximadamente 12 dias):

Os 2 tipos de suculentas gerando novas folhas
A suculenta que veio da planta que morrei, gerou raízes e agora um início de novas folhas
Semana 4 (aproximadamente 30 dias):

As 2 suculentas crescendo
A que já estava mais evoluída gerando mais folhas.
A que tinha um início de folhas, agora com 6 folhas e outras nascendo no meio.

Semana 7:
Além das primeiras folhas, um novo grupo de folhas cresceu, com novas nascendo ao meio. A folha q está por baixo também está gerando novas folhas. Não sei como retirá-la.
Parece ter estagnado, mas a folha principal dela murchou muito, e as folhinhas estão ligeiramente maiores.
Algumas outras folhas também brotando
Para minha surpresa, algumas outras folhas que eu tinha colocado mas não estava prestando atenção também estão gerando mudas. Uma diferença entre essas e a folha que estou seguindo desde a semana 0 é que estas não tinham um filete de raiz quando a coletei. Essas foram tiradas da planta e provavelmente levaram essas semanas para gerar a raiz e começar a se desenvolver.

Semana 12:

Já começa a aparecer um caule e ela cresceu bastante.
Crescendo bem mais devagar. A folha original desapareceu.

Semana 14:

Caule começou a esticar, ficando mais evidente.
As outras mudas similares q estavam começando na semana 7 já estão se desenvolvendo.
Novas aquisições para gerar mudas.

Nessa semana transplantei para um outro vaso vejam:



Para minha surpresa positiva, quem disse que suculenta cresce devagar, provavelmente é porque ela está num recipiente pequeno. Mesmo sem ter raízes muito longas ou que se espalham muito, visivelmente mudá-la de recipiente deu um gás na mudinha. Uma vez adaptada, cresceu muito.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Caruru ou Bredo: mato ou fonte de vitaminas e minerais?

O Caruru, ou Bredo (nome dado na Bahia) ou Amaranto, é o nome de uma herbácea de ciclo anual que em geral medem até 80 cm e são mais conhecidas por serem invasoras de plantações mas na verdade são um excelente indicador de qualidade do solo, pois só crescem em terra boa, rica em potássio.


Aqui no meu jardim cresceu dentro de um pote de requeijão, onde tinha plantado umas sementes de alface que não germinaram. Como não sabia do que se tratava, deixei crescer e cresceu com força. Quando me disseram o que era, fiquei curioso e passei ele para um vasinho para que pudesse crescer mais e não se espalhar na minha jardineira.

Caruru nascido na minha varanda
Caruru nascido na minha varanda e transferido para um vaso

Buscando informações na Internet, achei várias coisas interessantes sobre essa planta que seria arrancada como uma praga e agora vou cultivá-la e testar algumas receitas.

Descobri que todas as partes do Caruru são comestíveis. É um alimento rico em ferro, potássio, cálcio e vitaminas A, B1, B2 e C. Algumas fontes afirmam inclusive que o Caruru é uma boa fonte de ômega-3, sendo o vegetal com mais altos níveis de ômega-3 entre os veg­e­tais de fol­has verdes.

Já sobre as funções medicinais, funciona como lactígeno, ou seja, é recomendado para mulheres em fase de amamentação por ajudar na produção de leite, combate também infecções, problemas hepáticos, hidropsia e catarro da bexiga. Além disso, devido seu alto nível de cálcio, muito útil na formação de ossos e dentes.

Para prepará-lo, as folhas e os talos do Caruru, devem ser cozidos e escorridos, e então utilizados em refogados, molhos, tortas, pastéis e panquecas. As sementes são usadas para fazer pães, e podem também ser ingeridas torradas.


Nos dias atuais, pesquisadores de vários países, vêm se dedicando em resgatar esta planta, como uma espécie vegetal capaz de ajudar a enfrentar a alarmante situação de fome e desnutrição, a que estão sujeitos alguns países, por sua rusticidade, seu fácil cultivo, paladar agradável e ótimas qualidades nutricionais de suas folhas, talos e sementes, das quais se pode extrair farinha.

Como pode uma planta como essa ser considerada uma praga? Provavelmente por ser tóxica para o gado nos pastos. Com isso em vez de utilizada como fonte de vitaminas e minerais, é tratada como erva-daninha, mas por sorte apareceu no meu jardim e terá seu devido valor reconhecido e utilizada da forma correta.

Em breve posto algumas receitas caseiras de como utilizar o Caruru em casa, junto com todos os outros vegetais que tenho plantados na minha varanda do apartamento.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Manjericão Roxo ficando verde

Sempre gostei de Manjericão e por isso busquei como fazer muda deles, que aliás geram raízes muito rápido. Vejam nesse post como fazer ( Como fazer mudas de Orégano e Manjericão ). Por gostar tanto resolvi comprar um Manjericão Roxo que nunca tinha plantado e plantar ao lado do meu verde, para dar um colorido diferente na minha jardineira que ainda tinha um espaço sobrando.

Manjericão Verde e Roxo lado a lado, com uma pequena muda de Orégano no canto.
Com alguns dias notei que as folhas do Roxo foram ficando esverdeadas. Primeiro pensei que fosse por causa da terra ou algum problema em "pegar" na terra da jardineira, mas acabei ficando surpreso quando busquei na Internet em alguns sites e vi que o problema era um muito mais simples. Excesso de Sol.

Mudas e Manjericão Roxo plantado esverdeando com 2 semanas após plantado.
Essa Jardineira fica num local onde o Sol assim que nasce bate direto e fica iluminando por umas 2 ou 3 horas quando começa a bater a sombra mas ainda assim a claridade é bem alta até o meio dia. O Manjericão Verde está crescendo muito e gostando do local, assim como a pequena muda de Orégano mas o Roxo, está ficando esverdeado como na foto abaixo.

3 semanas depois, o Manjericão Roxo todo esverdeado mas crescendo vigorosamente
Como tinha tirado um dos galhos para gerar muda, antes de mexer na posição dele e replantá-lo, resolvi fazer um teste. Em 15 dias, o pequeno galho já gerou um monte de raízes na água, mas também num local com muito Sol. Dessa vez vou plantar num local que receba menos Sol.

Independente de ficar esverdeado, como podem ver, o Roxo que foi plantado cresceu bastante e está muito bonito, mas verde.




Em breve posto algumas fotos dessa nova mudinha se desenvolvendo e veremos a cor dela. Como podem ver, nesse estágio inicial, até a muda está esverdeada pois estava num local que também pegava muito sol direto e indireto.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Novas sementes germinando na sementeira

Comprei uma sementeira dessas grande de quintal, mas pra usar na minha varanta, usei como base o prato retangular de uma jardineira que não tenho mais. Cortei para caber na mesma e ficou ótimo.

Sementeira preenchida de terra, hora de escolher as sementes entre as tantas que venho comprando ao longo do tempo ou ganhando mas nunca parei para germiná-las ou plantá-las efetivamente. Como tenho espaço de sobra, pulei a parte de germinar no algodão ou papel toalha e fui direto para o plantio em terra.

Estratégia: 5 espaços para cada tipo de semente e 1 ou 2 sementes dentro de cada um dos espaços. Tudo em local arejado, sem sol direto (talvez só de manhã cedo) mas com bastante iluminação.

Rega: Usando um squeeze pois assim posso colocar gota a gota tanto dentro de cada quadrado quanto encher o prato para que os q estiverem em contato possam umedecer por capilaridade. A cada 2 dias ou se de um dia pro outro a terra ficasse muito seca, o que ocorreu nos dias de muito calor.

Sementeira escolhida e cortada para caber na base.
Nessa sementeira plantei então:
  • Alface
  • Salsa
  • Rúcula
  • Tomate cereja comum
  • Tomate cereja samambaia
  • Pimenta malagueta
  • Pimenta redonda
  • Aproveitei o espaço para colocar inclusive algumas folhas de suculentas.
  • Aproveitei também para testar criar muda de orégano direto no solo, método diferente desse outro post: Como fazer mudas de orégano




Algumas estão bem grandes e outras já foram transplantadas, o que vou mostrar em outros posts.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Como fazer uma composteira ou minhocário

Sempre fiquei muito incomodado em jogar tantas cascas de frutas, legumes ou frutas inteiras fora só por estarem muito maduras ou passadas e fui buscar uma solução caseira para usá-las como adubo para minhas plantas e reciclar todo esse material. Encontrei uma solução simples e útil. Uma composteira feita de caixas organizadoras, dessas que vc compra em qualquer loja de plásticos.

Alguns meses atrás já tinha tentado com apenas 1 caixa e tive umas boas lições aprendidas que tentei usar nessa segunda tentativa, usando novas dicas que li na Internet. Descobri também que essa composteira poder se tornar, potencialmente, um minhocário, que acelera muito a compostagem e se transferidas para os canteiros das plantas as ajudam muito mantendo a terra aerada.

Para fazer essa composteira vai precisar de:

  • Pelo menos 2 caixas organizadoras - busque por modelos que se encaixam uma na outra quando empilhadas fechadas (o fundo de uma combina com o desenho da tampa da outra).
  • Furadeira com broca bem fina ou um prego quente ou alguma ferramenta para fazer futos pequenos.
  • Argila expandida ou cascalhos, desses que se colocam no fundo de vasos.
  • Humus de minhoca (ou as minhocas que funcionam melhor ainda).
  • Material seco, por exemplo:
    • Jornal velho picado;
    • Filtro de café de papel, seco (guarde o pó de café para usar como um excelente repelente de formigas);
    • Folhas e galhos secos de outras plantas;
    • Terra "velha" ou aquela esquecida num vaso e está bem seca, sem nutrientes;
  • Restos de frutas e vegetais que iriam para o lixo (guarde num pote de sorvete no freezer para não gerarem mal cheiro enquanto junta uma quantidade razoável);

Como fazer:

Primeiro, monte as caixas de forma que a caixa que ficará em contato com o chão, não terá o fundo furado, apenas as laterais e a tampa. Já as de cima, terão seu fundo furado (combinando com os furos da tampa da caixa abaixo), as laterais e a tampa.


Uma coisa que aprendi na minha experiência anterior é que se a caixa for transparente, estimula a geração de musgos, até mesmo plantas dentro da composteira. Se receber muita claridade então, terá uma plantação crescendo na sua caixa fechada. Dessa vez optei por uma caixa mais escura, mas ainda transparente para que eu possa ver a evolução da compostagem.

Faça os furos, pequenos e não muito próximos, o suficiente para passar o ar, mas pequenos o suficientes para não entrar bichos, moscas, etc. Alguns bichinhos vão aparecer com o tempo na sua compostagem, normal, eles vão ajudar na decomposição.


No meu caso preferi usar uma furadeira com uma broca bem fina pra fazer os furos.


Faça todos os furos nas caixas que vai usar. Lembre-se que a caixa q ficará embaixo, em contato com o chão, não deve ter furos no fundo. Apenas as de cima e o ideal é fazer os furos com uma caixa já em cima da outra para que combine fundo/tampa e crie um caminho para o ar fluir e futuramente algumas minhocas e pequenos organismos que trabalham na compostagem.


Para a montagem, eu comecei debaixo pra cima pois optei começar enchendo a caixa mais embaixo (fica mais fácil de abrir enquanto a de cima está vazia) e uma vez que esteja cheia, deixo descansar e trabalhar enquanto preencho a superior.

Conversando com um amigo, me sugeriu colocar cascalhos ou argila expandida no fundo dessa primeira caixa para armazenar o chorume e esse não ficar em contato direto com o material seco do fundo da composteira. Fiz dessa forma. Argila e cascalhos no fundo, apenas 1 camada, e material seco por cima.


No meu caso, vejam que usei papel filtro de café usado e seco, sem o pó de café. Várias camadas desse papel filtro que será decomposto junto com todo o resto. Pode usar jornal ou qualquer dos materiais secos que listei acima.


Num outro post falo mais do pó de café que sobra quando se faz o mesmo ou com filtro de papel ou coador de pano. Um excelente repelente natual de formigas e funciona como adubo também.

Por cima dessa camada seca, eu ainda coloquei um pouco de terra velha, seca, de potes que um dia já tiveram uma planta que eventualmente morreu.


Por cima dessa camada seca, vem então a camada de restos a serem transformados e digeridos. Vejam na foto que vale quase tudo: Cascas e partes de vegetais em geral, que seriam jogados foram, cascas e pedaços de frutas (evito as sementes pra não nascer uma muda dentro da composteira), etc. Pique o máximo possível pra ajudar na compostagem. Caso não queira picar, não tem problemas, só vai precisar esperar mais para que desapareça na terra.

IMPORTANTE: Nunca coloque nada de origem animal na sua composteira, como pedaço de carne, pele, ossos, etc. Também evite muito material cítrico, como casca e bagaço de laranja que gera muito volume de lixo mas na composteira deixa o pH muito ácido também.



Por cima dessa camada de restos, coloque seu Humus de minhoca ou deposite suas minhocas, caso tenha algumas. No humus já existem alguns ovos de minhocas ou potencialmente algumas escondidas que vão se alimentar desse banquete e crescer fortes decompondo bem rápido o material. Mesmo sem minhocas as bacterias no humus fazem o trabalho, um pouco mais lento, mas fazem.

Para finalizar, coloque uma última camada de material seco, que servirá de base para a próxima camada de restos, humus e material seco.

Repita as camadas até que a caixa esteja cheia. Semanalmente se quiser dar uma misturada, de leve, para aerar, até pode fazer. Só cuidado para não ferir as minhocas ou deixar para cima algum resto de comida sem ficar coberto por material seco, que pode gerar um cheio forte ou atrair bichos.

Agora é esperar a natureza fazer seu trabalho, transformar todo esse material numa terra de excelente qualidade, turbinada, para que possa adubar suas plantas. A terra gerada dessa forma, pode ser usada no lugar do humus em futuras caixas pois possuem os microorganismos (e potencialmente minhocas) que fazem o serviço de decomposição da matéria organica.

Em breve mostro como ficou depois de algumas semanas fazendo a compostagem.